PERGUNTAS FREQUENTES

INTERCÂMBIO DE ESTUDOS

Para o programa de curso de idioma não existe nenhum requisito, apenas o interesse em aprender e estudar um novo idioma.

Não, no programa de curso de idiomas não é preciso ter nível básico, intermediário ou avançado, não é exigido nenhum conhecimento. No entanto caso tenha uma noção do idioma que deseja estudar, irá facilitar o aprendizado e aproveitar mais o que o curso pode oferecer.

Você pode embarcar quando quiser, os cursos de idioma têm disponibilidade durante o ano todo, com início todas as segundas-feiras ou primeira segunda-feira do mês, depende do seu nível de proficiência. Apenas se a escola não tiver disponibilidade é que a data deverá ser alterada.

A duração mínima varia de 2 a 4 semanas, depende da escola que escolher. E o máximo varia de 6 meses a 1 ano, depende do visto de cada país. Considerando essas regras, você poderá escolher quanto tempo gostaria de se dedicar aos estudos, 1 mês, 2 meses, 6 meses, 8 meses, você escolhe.

O valor do curso, quando convertido para reais, ficam bem próximos, o que deve ser considerado é o custo de vida de cada país e a moeda local. Considerando esses itens o país mais em conta para aprender inglês, por exemplo, é a África do Sul.

O melhor lugar, vai depender do seu perfil, dos seus interesses e objetivos. O que para você pode ser um lugar interessante, para outra pessoa pode não ser. Por isso é importante ter uma ideia do seu gosto, para poder começar a filtrar as opções de destinos, ou informar qual a sua ideia de lugar para que um destino seja sugerido.

Os valores são parecidos, mas evitar grandes centros como Nova York, Chicago e São Francisco, por exemplo, diminui o custo, pois em cidades menores o valor da acomodação é mais em conta e depois quando iniciar o curso, o custo de vida das cidades pequenas é menor que dos grandes centros.

O valor do curso varia de cidade para cidade e de duração para a duração. Para solicitar um orçamento você deve informar, qual a cidade deseja fazer o curso, durante quanto tempo e quando gostaria de iniciar.

Sim, todos os países exigem visto de estudante.

Toda regra tem uma exceção e alguns países para curso de idioma com duração de até 90 dias permitem a entrada no país com o visto de turismo, e em alguns casos brasileiro não precisa de visto de turismo para entrar no país.

Na Irlanda, curso com duração de até 3 meses, não é preciso tirar visto de estudante, você pode entrar no país com o visto de turismo. Como brasileiro não precisa de visto de turismo para entrar no país, na chegada, ao passar pela imigração o seu passaporte será carimbado com a permissão para estudar.

Em alguns países, para cursos de até 90 dias de duração não é preciso tirar visto de estudante, isso se aplica aos países europeus, África do Sul e Nova Zelândia. Para todos os outros é preciso aplicar para o visto antes de sair do Brasil.

Dependendo do país. Apenas a Nova Zelândia, Austrália e Irlanda possuem um visto de estudante que permite trabalhar por até 20h por semana, desde que o curso de idioma siga a regra do visto. Todos os outros países não permitem estudantes de idioma a trabalhar ao mesmo tempo.

Não, não é possível fazer um curso de inglês e depois emendar com o programa de Intercâmbio Agrícola sem voltar para o Brasil. O programa de intercâmbio de estudo é um tipo de visto e o de intercâmbio agrícola é outro. Para aplicar para o visto de intercâmbio agrícola é preciso estar no Brasil.

Não, o visto de estudante de idiomas dos Estados Unidos não permite o estudante a realizar nenhuma atividade remunerada.

Não, o visto de estudante de idiomas do Canadá não permite o estudante a realizar nenhuma atividade remunerada.

Vai depender de qual é a sua área, os processos seletivos são parecidos com o do Brasil, é exigido fluência no idioma e experiência profissional, quanto mais qualificado, mais fácil para conseguir uma colocação.

Não, a CAEP Brasil não se responsabiliza pelo trabalho, apenas pela parte do curso, que deve seguir as regras do visto, para que se tenha um visto de estudante com permissão de trabalho.

O ideal é se preparar entre 6 meses e 4 meses antes da data deseja de embarque, pois o visto de estudante dos países pode levar algum tempo, então é preciso considerar o tempo de processo do visto também.

Não, não é possível fazer primeiro o curso e depois o trabalho, pois o visto é emitido com duração igual ao curso.

Os países em que o visto de estudante permite trabalhar, é permitido exercer atividade remunerada por até 20h por semana.

Irlanda: pode começar a trabalhar quanto realizar a troca do visto de turismo para o de estudante. Sem ter o visto de estudante no passaporte não é permitido trabalhar.

Austrália e Nova Zelândia: pode começar a trabalhar quando as aulas iniciarem. Se você chegar 3 dias antes do início do curso, você não pode trabalhar esses 3 dias que antecedem o início do curso.

Não, no programa de estudo e trabalha tem duração mínima para ter o visto de estudo com permissão para trabalho. Na Austrália e na Nova Zelândia a duração mínima são 14 semanas e na Irlanda 25 semanas para poder estudar e trabalhar.

PERGUNTAS FREQUENTES

INTERCÂMBIO AGRÍCOLA

Austrália: Novembro (embarque em Março); Março (embarque em Julho) e Maio (embarque em Setembro).

Canadá: Novembro

EUA: Preferencialmente em Julho (para a maioria dos programas); Abril (para o programa de Enologia).

Holanda: Os embarques ocorrem de Março a Setembro. A inscrição deverá ser realizada com pelo menos 5 meses de antecedência à data de embarque.

Nova Zelândia: Abril

Não. Esse período compreende os meses de Inverno nos países do Hemisfério Norte e por isso, já não há mais atividade agrícola a ser realizada.  No caso dos países do Hemisfério Sul, como a Austrália e Nova Zelândia, os fazendeiros não aceitam intercambistas por um período tão curto.

Depende da área de interesse, mas geralmente logo após o inverno, (período do intercâmbio- Março até Outubro). Este melhor período também vale para todos os países do Hemisfério Norte, onde o inverno ocorre nos meses de Dezembro, Janeiro e Fevereiro (oposto ao Brasil).

Dependendo do país e a área de interesse, o período mínimo é de 3 meses. Geralmente cada programa tem um período pré-estabelecido.

Você pode e deve se inscrever com 120 a 150 dias de antecedência ao embarque. Assim terá tempo suficiente para enviar a sua documentação completa (application form preenchido e demais documentos requeridos), se programando para a data que pretende embarcar.

HOLANDA

Não, para Holanda, é preciso estar vinculado à alguma instituição de ensino Agronômico, podendo ser graduação, mestrado, pós, desde que o estudo seja comprovado por cartas e que nas mesmas conste que há necessidade de ir para Holanda, como atividade obrigatória para a conclusão do curso.

De 3 a 6 meses. Sempre com a volta em novembro, já que é um requisito do país.

NOVA ZELÂNDIA 

ESTADOS UNIDOS 

Não existe uma cultura específica, mas eles produzem muito: grãos, carne, leite, hortaliças, frutas, etc.

Não, na verdade são os fazendeiros no exterior que escolhem os participantes. A não ser que você já esteja colocado em alguma fazenda (pré-placement). Aí, nesse caso específico, a CAEP não precisa fazer a busca pela colocação e faz somente a parte burocrática da colocação já aprovada.

Depende da área de interesse. Nos Estados Unidos, são poucas as áreas que têm embarque em julho.

Desde que você tenha bastante experiência prática na área e estando consciente de que este é um intercâmbio agrícola prático (trabalho) com Equinos e não um hobby.

Não. O programa na área de Enologia, ocorrem somente nos EUA, nos meses da colheita da uva e fabricação do vinho nas vinícolas (de agosto a novembro).

Cellar: Produção de vinho
Laboratório: Análises laboratoriais do vinho.
OBS: Não há atividade na produção de uva.

DOCUMENTAÇÃO

Não. O processo do passaporte é todo feito pelo candidato.

Depende do local de emissão.

Não, para iniciarmos o processo, precisamos do passaporte válido do candidato.

Não. Mas se por acaso você quiser dirigir nos exterior, terá que ter a PID em mãos. Alguns fazendeiros exigem a PID, mas isso será informado com a chegada da confirmação da colocação.

ENTREVISTA 

Após o candidato se inscrever no site, preencher o application form e enviá-lo, juntamente com os demais documentos requeridos. A CAEP entrará em contato por e-mail para agendar a data e a hora.

A entrevista tem como objetivo principal, avaliar o inglês do candidato, mas também tem finalidade informativa, tanto para o candidato a intercâmbio agrícola como para a CAEP. Estar bem informado sobre o funcionamento do intercâmbio é de fundamental importância.

Tem uma média de 20 a 30 minutos.

Na entrevista são feitas perguntas pessoais e profissionais, para avaliar o nível de inglês do participante e conhecê-lo um pouco mais.

Não, desde que o aluno esteja preparado.

NÍVEL DE INGLÊS

O teste de inglês é na maioria das vezes oral, no qual são feitas algumas perguntas para verificar se o candidato tem realmente condições de se comunicar em inglês.

Depende do seu nível de comunicação na língua. Geralmente, é difícil ser aprovado, se você não se dedicou ao aprendizado/aperfeiçoamento do idioma. Porém há participantes, que mesmo sem frequentar uma escola de inglês, têm uma boa comunicação em inglês, porque têm o hábito diário de estudar o idioma por conta própria.

Sempre. O estudo do idioma deve ser contínuo.

Sim. Se a comunicação com o fazendeiro for insuficiente, ele pode entender que um dos objetivos do programa não está sendo alcançado e solicitar o desligamento do intercambista.

Geralmente as fazendas com produção de grãos. A comunicação é feita via rádio entre os intercambistas, que estão dirigindo as máquinas agrícolas, e o fazendeiro (o que a torna mais difícil). Essa comunicação precisa fluir para que as atividades sejam realizadas com êxito.

Desde que o seu nível de conversação seja bom, sim.

Se nesse curto período, você tiver alcançado uma boa comunicação no idioma, pode sim. Para saber se realmente você tem condições de participar, você pode solicitar a realização de um teste simples de inglês, para que o entrevistador tenha uma noção real da sua comunicação.

O entrevistador irá lhe dizer em quanto tempo você pode se reaplicar.

Intermediário e avançado. Comunicação é essencial para o sucesso de qualquer programa de intercâmbio. Quanto maior o nível de comunicação em inglês, melhor será o seu desempenho durante o intercâmbio agrícola.

Não. O foco do intercâmbio agrícola é o aperfeiçoamento técnico. O aperfeiçoamento do inglês é uma consequência e por isso não pode ser o motivo principal ao fazer o programa.

Se você quer fazer o intercâmbio agrícola somente para aprender inglês, não recomendamos.

Seu conteúdo vai aqui

A princípio não, uma vez que dificilmente você conseguirá conciliar as atividades diárias do intercâmbio agrícola a um curso de inglês.

PROCESSO DE SELEÇÃO 

Para participar o candidato deve ter os requisitos exigidos, como estar na faixa etária adequada, ter experiência prática na área de interesse e ter uma boa comunicação em inglês.

Sim, porém quanto melhor o candidato preencher os requisitos do programa, mais chances de colocação ele terá.

Não necessariamente. Se o candidato é bastante qualificado e se aplicou ao programa na época correta, terá grandes chances de colocação.