Commodities Brasileiras: Soja

Última atualização: 16/02/2024Por

A soja é tida como uma das principais commodities do planeta. Países como China, Estados Unidos e Brasil mantêm relações diplomáticas e acordos econômicos de exportação e importação apenas, mas não tão somente, por causa do pequenino grão de soja.

 

Com esse texto você vai poder conhecer um pouco da história do grão no Brasil e como a soja impacta a economia mundial, bem como dados recentes sobre o desenvolvimento desta commodity em escala global.

 

Alternativa de Verão

 

A história da soja no Brasil começa ainda no século XIX, porém, somente na década de 1960 que o Brasil começou a prestar atenção no potencial do grão para a subsistência do país. Entre os fatores que levaram a essa troca de olhar sob o insumo, estão dois que são de fundamental importância.

 

O primeiro tem relação com o trigo. Para que houvesse mais opções de semeadura nos períodos não produtivos do trigo, foi que a soja começou a ser explorada no Brasil para uso comercial. A soja, assim, se mostrou uma ótima alternativa de verão para a sucessão das culturas de trigo.

 

De fato, até hoje, a combinação do trigo e da soja para o cultivo de inverno e verão continua sendo a melhor opção para os produtores do sul do País, segundo pesquisa liderada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

 

Comer Para Poder Crescer

 

O segundo motivo para o aumento na produção de soja do país, foi o aumento na produção de suínos e aves, tornando a produção da soja uma necessidade estratégica ao longo dos anos seguintes.

 

Isso porque a ração consumida pelos animais era o farelo de soja. Já em 1966 a produção de soja demandava um investimento considerável, mas rendia em mesma proporção. Estima-se, segundo dados da época, que a produção da década se multiplicou por cinco – de 206 mil toneladas (1960) para 1,056 milhões de toneladas (1969)

 

Esses motivos só auxiliaram na pavimentação do caminho da soja rumo a principal cultura do agronegócio brasileiro, na década de 1970, e ainda hoje mantendo seu posto.

 

Produto Global

 

Além de garantir a saúde humana, através da alimentação, a soja é comercializada em larga escala com a finalidade de garantir a segurança alimentar e servir como base para uma determinada indústria de produtos feitos a base de seus grãos.

 

Entre os principais, estão o óleo de soja, o farelo de soja e mais uma miscelânea de outros produtos que são comercializados em mercados variados. O óleo de soja, por exemplo, move cerca de 18% de toda soja do mundo para sua manufatura, segundo dados disponíveis no site da World Wide Fund for Nature (WWF).

 

O farelo de soja, segundo dados registrados pela Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), já na safra 2015/2016, movia cerca de 79% de toda soja destinada para processamento – cerca de 49% de toda produção nacional – para sua manufatura.

 

Soja em Números

 

Todos esses números já demonstram o quanto a soja é valorizada, não somente na economia nacional, como na mundial, com seus diversos produtos derivados e seu grão in natura. Porém, existem números ainda mais poderosos para demonstrar a força dessa cultura.

 

Segundo dados disponibilizados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a safra de 2017/2018, no mundo, teve uma produção de 336.699 milhões de toneladas. Apenas os Estados Unidos da América (EUA), moveu 119.518 milhões de toneladas desse montante, ficando em primeiro lugar no mercado global.

 

Já o Brasil, que atualmente é o segundo maior produtor de soja do mundo, chegou perto do primeiro colocado com uma produção de 116.996 milhões de toneladas.

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS