Banner faq

Faq

  • 1. O que é a CAEP?

    É uma organização internacional, especializada em intercâmbio agrícola, presente em 19 países. A CAEP foi fundada em Minnesota, nos Estados Unidos, em 1972. CAEP significa, Communicating for Agriculture Education Program

  • 2. O que a CAEP faz?

    Sendo uma Operadora de Viagens, especializada em intercâmbio agrícola, a CAEP recruta, seleciona e aloca estagiários da área de Ciências Agrárias, para exercer atividades práticas no campo, na forma de estágio remunerado no exterior. Além disso, a CAEP oferece cursos de Inglês no exterior. A CAEP também organiza viagens técnicas e de incentivo ao empresariado do Agronegócio nacional e internacional. A CAEP oferece toda infraestrutura, operacional e humana necessárias para uma viagem técnica. 

  • 3. Onde a CAEP está localizada?

    No Brasil, a CAEP localiza-se na cidade de São Paulo, na Av. Paulista, 1471 – 15º andar – em frente ao museu MASP. 

  • 4. Como é feito o atendimento?

    Pessoalmente, através de nossos colaboradores nos escritórios de São Paulo e Londrina. Também, através de nosso website: www.caep.com.br e telefones: central: (11) 3147-3688 ou Londrina (43) 3354-3785. 

  • 5. Qual a missão da CAEP?

    Gerar conhecimento através de experiências internacionais, proporcionando o desenvolvimento humano e profissional. O objetivo da CAEP é ser referência em viagens educacionais no mundo do Agronegócio. 

  • 6. Como é o perfil das pessoas que trabalham na CAEP?

    Os colaboradores da CAEP Brasil possuem formação nas seguintes áreas: Agronomia, Turismo, Administração, Marketing, Psicologia, com habilidades e vivência no Agronegócio. As pessoas utilizam seus conhecimentos e experiências práticas para atender aos diversos perfis e demandas por experiências internacionais do Agronegócio.

  • 7. Qual é o público-alvo que viaja pela CAEP?

    a) Viagem Técnica Empresarial: Produtores Rurais, empresários, colaboradores, Professores Universitários e demais profissionais do agronegócio.

    b) Viagem Técnica de Graduação: Estudantes de graduação, pós-graduação ou recém-formados, juntamente com corpo docente dos cursos de ciências agrárias.

    c) Intercâmbio de Estudo: Aberto a todo público interessado em estudar idiomas no exterior. As aulas acontecem em renomadas universidades e em fazendas (farmstay).  

    d) Intercâmbio Agrícola: Estudantes e recém-formados de Ciências Agrárias, nos estágios remunerados no exterior. 

  • 8 . Por que viajar?

    Viajar é uma maneira completa de vivenciar as oportunidades do mundo, que permite obter novas ideias, através da cultura, pessoas, diferentes pontos de vista, culinária e não ficar limitado ao cenário regional de nossas próprias vidas. Se viajar é uma atividade fascinante, imagine fazer uma viagem profissional no agronegócio. 

  • 9. O que é uma viagem técnica?

    É a oportunidade de conectar profissionais do agronegócio com as tecnologias de outros países. É uma forma de vivenciar as cadeias produtivas de vários segmentos do agro e gerar conhecimento para novos negócios. As viagens técnicas inspiram, motivam e fortalecem o relacionamento comercial entre empresa, colaboradores e clientes. 

  • 10. Por que fazer uma viagem técnica agrícola?

    As viagens são uma forma prática de aprender. São considerados excelentes cursos. Uma forma agradável de vivenciar realidades diferentes do que temos no Brasil. As viagens proporcionam conhecimento, motivação e inspiração para dinamizar o seu negócio. As viagens técnicas promovem empresas e seus produtos de forma marcante, estabelecendo vínculo duradouro entre um produto e sua forma de vendê-lo. 

  • 11. Como uma viagem técnica é organizada?

    Após definição do segmento do agronegócio e o país a ser visitado, elabora-se um roteiro personalizado de viagem, com orçamento. Ao ser aprovado, a CAEP fornece um contrato de serviço. Depois de assinado, a CAEP confirmará as os serviços, tais como: Agendamento de visitas técnicas, palestras, reservas em hotéis, refeições, reservas de passagens aéreas, ingressos, passeios, entretenimento local, etc. 

  • 12. Como é feito o contrato de uma viagem técnica?

    É elaborado com os itens inclusos, valores, prazos, formas de pagamento, restrições, instruções. O contrato é enviado ao líder do grupo ou da empresa. 

  • 13. Como é a política de cancelamento de uma viagem?

    Até 60 dias antes da viagem = 100% de reembolso

    Até 45 dias antes da viagem = 75% de reembolso

    Até 30 dias antes da viagem = 50% de reembolso

    Até 15 dias antes da viagem = 25% de reembolso

    Até 7 dias antes da viagem = zero reembolso. 

  • 14. Como é escolhido um guia-coordenador de grupo?

    A CAEP faz uma seleção criteriosa, conforme os conhecimentos e habilidades do profissional. Um bom networking ajuda na prospecção. Habilidades principais de um guia-coordenador: fluência nos idiomas como Inglês, Espanhol, Alemão, etc; conforme a região de interesse do grupo que contratar a CAEP; organização; pro-atividade; boa disposição e condição física; sociabilidade; raciocínio lógico; habilidade em objeções, em buscar soluções a imprevistos; disponibilidade de viagens em quaisquer épocas do ano; conhecimento operacional em viagens internacionais. Caso você queira ser um guia-coordenador na CAEP, entre em contato através do seu e-mail caep@caep.com.br. Descreva seu perfil e envie seu currículo.

  • 15. Quais os benefícios de ser tornar um guia-coordenador de grupo CAEP?

    Conhecer países onde o Agro é referência, aumentar seu networking, aprender novas tecnologias, diferentes de sua área principal de atuação no Brasil, receber treinamento periódico CAEP; ser remunerado por serviços.Conhecer países onde o Agro é referência, aumentar seu networking, aprender novas tecnologias, diferentes de sua área principal de atuação no Brasil, receber treinamento periódico CAEP; ser remunerado por serviços.

     

     

  • 16. O que é um Tour Director da CAEP ou parceiro de negócios?

    São influenciadores e formadores de opinião no meio acadêmico. Eles mobilizam pessoas no sentido de ser referência em suas áreas de atuação. A CAEP recruta estes profissionais e oferece várias formas de parcerias em viagens técnicas internacionais. Um parceiro de negócio não é um cliente da CAEP. Geralmente, são professores de nível universitário, com mestrado, doutorado, pós-doutorado, que exercem liderança no meio acadêmico, docente, a nível nacional e internacional. Parceiros de negócios podem ser profissionais do agronegócio atuantes e líderes no setor. Os parceiros de negócios são divulgadores de programas educacionais da CAEP, sobretudo as Viagens Técnicas. 

  • 17. Quais os benefícios de ser um Tour Director?

    Criar um programa de relacionamento em seu meio ainda mais forte, através das viagens no agronegócio. Visitar países e lugares turísticos, fazendas, multinacionais, universidades, faculdades e demais localidades numa atividade agrícola e sua cadeia produtiva; receber treinamento periódico CAEP; ser remunerado por serviços. 

  • 18. Como posso me tornar um Tour Diretor da CAEP?

    Ter boa experiência na áreas e práticas agrícolas, conhecer muitas pessoas, gostar de lidar com pessoas. 

  • 19. Qual o número mínimo para se formar um grupo de viagem técnica?

    O numero ideal depende muito do perfil do grupo e destino escolhido. O número ideal para se ter um ótima relação de rateio dos custos dos serviços terrestres (hospedagem, transporte, refeições, ingressos, traslados ) e aéreo ( passagem aérea na categoria “grupo”, entre cada componente do grupo é no mínimo de 20 participantes. Grupos reduzidos, entre 15 a 20 participantes, podem ser viáveis, elaborando-se roteiros mais econômicos. 

  • 20. Quanto tempo demora entre elaborar um orçamento?

    Cada orçamento demora em média de 02 a 04 dias úteis. Quanto mais detalhes e clareza, mais rápido será o envio de seu orçamento.

    O orçamento inclui todos os itens da paste terrestre e aérea, divididos em dia de hospedagem. Inclui quais visitas, quais cidades, quais empresas ou instituições empresariais ou de ensino que estão inclusas. 

  • 21.Quanto tempo leva entre o orçamento aprovado e seu embarque?

    Quanto mais cedo se definir o roteiro e orçamento, mais chances de obtermos melhores tarifas. Sugerimos um prazo de 06 meses, entre aprovação de seu roteiro e data de seu embarque. Após aprovação de seu roteiro, a CAEP enviará periodicamente ao líder do grupo, uma série de informativos e instruções quanto a viagem. Estas instruções permitem que o grupo viaje conhecendo integralmente todas as fases da viagem.

  • 22 . O que é o bloqueio da passagem área para grupo e como é feito?

    Quando se tem 10 pessoas ou mais viajando  juntas, no mesmo voo e horário, numa mesma companhia aérea, saindo de um mesmo aeroporto, é caracterizado “tarifa de grupo” e portanto a negociação é feita diretamente com o departamento de grupos das companhias aéreas. Para se fazer o bloqueio (reserva) dos assentos, é necessário fazer o pagamento de uma taxa que varia de U$ 100 a U$ 200 dólares por passageiro/a. Esse valor é reembolsável após a emissão da passagem. Além do pagamento do bloqueio assina-se um contrato entre companhia aérea e operadora ou agência de viagem.

  • 23. Por que visitar uma feira local?

    As feiras são o resultado de todas as tecnologias de uma região, país, geradas recentemente, por empresas do Agro. É uma vitrine dinâmica, interativa e atualizada, mostrando as mais recentes inovações tecnológicas. É uma excelente oportunidade de encontrar profissionais do Agro do setor comercial, científico, acadêmico. Vários países estão presentes nestas feiras através de suas lideranças no Agro. Comercialmente, as feiras agrícolas permitem que multinacionais criem relacionamento entre seus clientes e colaboradores, divulgando sua marca, estabelecendo novas parcerias, antecipando o  lançamento de inovações tecnológicas permitindo traçar estratégicas de atuação. 

  • 24. Como é o transporte durante a viagem, no país de destino?

    A CAEP freta ônibus modernos, que acompanham o grupo desde a chegada, até o retorno ao seu país. Operados com motoristas qualificados, o trajeto se torna eficiente e seguro.  

  • 25. Como se pede um orçamento ou “briefing”?

    O “Briefing” ou pedido de orçamento é quando discutimos a ação que a empresa quer realizar. É importante ter em mente alguns itens importantes:

    • Nome do Projeto: Tema da viagem técnica com o nome da empresa contratante.
    • Responsável: Nomear as pessoas envolvidas, como as lideranças do projeto.
    • Objetivos e metas do projeto: Definidos com as lideranças do grupo.
    • Orçamento: Tem budget (valor máximo definido de investimento para uma viagem) de gastos? 
    • Data do evento: Quando será realizada a viagem técnica? 
    • Quantas pessoas: Definir o número estimado de participantes
    • Público-alvo: Perfil dos participantes: Produtores, distribuidores? 
    • Área de interesse: Soja, milho, algodão, horti fruticultura, fertilizantes, maquinários, biotecnologia, agroindústria, sucro-alcooleiro, reflorestamento, cítricos, café, algodão, etc.
    • Tipo de viagem: Incentivo ou técnica?
    • País de interesse: Já tem o destino certo? 
    • Já realizou esse tipo de ação antes? (  ) sim   (  ) não
    • Alimentos: Deseja incluir todas as refeições ou parcial? 
    • Material: Será necessário material para venda, criação de hotsite, treinamento e divulgação da ação? 
    • Envelopamento da ação: Serão necessários assessórios, brindes, camiseta, mochila, RSVP, etc?
    • Observações Finais: Toda informação extra é bem-vinda para o Briefing.

  • 26. Quais as formas de pagamento de uma viagem?

    Dinheiro (depósito bancário), cheque ou cartão de crédito. 

  • 27. O que levar em uma viagem técnica?

    Nosso lema, alinhado com a atual tendência mundial, é: Viaje leve. Remédios de uso rotineiro como: antitérmico, antigripal, antihistamínico (alergias), anti-inflamatório, pastilhas para dor de garganta, remédio para ouvido, pomadas contra assaduras, remédio para dores, etc. devem ser acondicionados em uma bolsa pequena, como um kit de primeiros socorros. Remédios tarjados, de uso contínuo, devem possuir receitas em Inglês junto com a caixa ou frasco. Estes tarjados, devem ser levados em QUANTIDADE SUFICIENTE PARA TODO PERÍODO DA SUA VIAGEM. Leve roupas confortáveis. Leve uma botina COMFORTÁVEL. Sugestões do que levar: 1-2 calça jeans, 2 a 4 camisetas, 1 camisa, 1 bermuda, 01 calção ou roupa de banho (piscina); meias e pijama, 1 malha ou jaqueta leve para em caso de chuva ou durante o voo, 1 par de tênis, 1 par de sapato e 1 par de chinelo. Assessórios: carregadores de celular, adaptadores de tomadas (CAEP oferece um, tipo universal), fone de ouvido, óculos de sol, 01 boné ou 01 chapéu. Em caso de uso de lentes de contato, levar um ou dois pares extras; além de solução salina, estojo de lentes e lubrificantes oculares. Protetor solar, repelente, e protetor labial.  Consulte a CAEP para a sua viagem.

  • 28. Como é uso do Cartão de Crédito internacional?

    Mesmo cartão sendo internacional, não esquecer de fazer a comunicação de viagem junto ao seu banco para desbloqueio do seu cartão no exterior. Fazer isso com antecedência mínima de 15 dias da viagem. Consulte se seu cartão realmente é próprio para uso internacional (fora do Brasil). 

  • 29. Onde comprar moeda em espécie?

    Caso não tenha cartão de crédito, leve mais dinheiro em espécie. Compre moeda com antecedência. Consulte casas de cambio de sua confiança. Se deixar para ultima hora, as casas de cambio dos aeroportos cobram taxas muito elevadas. 

  • 30. Documentos para levar ao exterior?

    Passaporte com validade mínima de 06 meses, anteriores a DATA DE ENTRADA NO PAÍS DA VISAGEM. Visto válido, para países que exigem. Consulte a CAEP.  

  • 31. Quero participar de uma viagem da CAEP, como faço?

    Basta entrar em contato com nossa área comercial por telefone (11) 3147-3688 e (43) 3354-3785 ou por email, caep@caep.com.br que você será direcionado para a área responsável de inscrições e atendimento. 

  • 32. A CAEP permite inscrição individual?

    Oferecemos algumas viagens, que chamamos de “adesão” ou “My Farm Experience”. Esses clientes entram diretamente em contato com a CAEP fazem inscrição individualmente e integram um grupo de mesmo perfil. Temos viagens de pecuária, agricultura, feiras, etc. Confira lista em nosso website. 

  • 33. Como montar um grupo?

    Se você trabalha em uma empresa ou mesmo gostaria de mobilizar colegas da sua área de atuação para uma respectiva viagem, basta contatar a CAEP e iremos lhe auxiliar. A CAEP oferece treinamento comercial para promover as Viagens Técnicas.  

  • 34. Como a CAEP auxilia a montar uma viagem?

    A CAEP analisa suas necessidades, objetivos, públicos-alvo e lhe orienta minuciosamente de forma a construir uma ação comercial, em Viagens Técnicas. Inicia-se com a descrição de seus objetivos ou “briefing”- uma noção geral sobre a viagem ( duração, países, feiras, instalações a serem visitadas, etc. O segundo passo é o orçamento. Em seguida, o contrato e as vendas (montagem do grupo).

  • 35. Como a CAEP auxilia sua empresa?

    Muitos “briefings”, requerem uma visita da CAEP ou uma reunião via Skype. Em uma reunião simples e objetiva conhecemos as necessidades do cliente e as transformamos em realidade na forma de Viagem Técnica. A tomada de decisão sobre a sua viagem técnica é feita de comum acordo e mútuo entendimento. Opiniões, sugestões, serão sempre bem vindas ! 

  • 36. Como a CAEP auxilia sua campanha de marketing?

    A CAEP pode ser sua agência oficial para viagens técnicas ou de incentivo e te auxiliar com sua equipe interna com marketing. A CAEP conta com profissionais capacitados em ações de marketing, diagramação visual, folheteria, divulgações em mídias sociais, mensagens e propostas temáticas, destacando a sua empresa no Agronegócio. 

  • 37. O que é uma viagem “envelopada”?

    É a forma de sua empresa se comunicar e gravar sua marca durante a viagem, entre os participantes, através dos canais de comunicação da viagem, personalizados. Por exemplo; a CAEP disponibiliza itens que garantem a perpetuação de sua marca entre seus clientes, participantes da viagem, tais como: Mochila, camisa, etiquetas de bagagem, brindes, livro de orientação de viagem, etc, mediante contratação. A CAEP sugere detalhes visuais e relacionais que tornam sua viagem personalizada e marcante. 

  • 38. Como é a alimentação durante a viagem?

    Selecionamos criteriosamente os cardápios de uma viagem técnica. Incluímos no roteiro refeições cuidadosamente adaptadas para o paladar brasileiro. Faz toda a diferença incluir algumas ou várias refeições em sua viagem. Os benefícios são muitos: reduz gastos com lanchonetes, fechamento de conta com garçons/garçonetes em outro idioma, eliminam—se as gorjetas ( já estão inclusas no contrato com a CAEP). Além disso, evita-se molhos, condimentos fortes. O grupo fazendo suas refeições juntas, confere um melhor sentido da viagem em grupo, onde a confraternização promove maior relacionamento. A CAEP facilita isso a você. Pergunte-nos como.

  • 39. Como treinar minha equipe para a viagem técnica?

    A CAEP desloca um profissional para explicar todos os detalhes de como organizar e vender uma viagem. 

  • 40 . O que é o PRP?

    Programa de Relacionamento com Produtor. O PRP esclarece ao empresariado do Agro, as diversas vantagens e benefícios de se realizar uma Viagem Técnica. O PRP mostra como participar da melhor forma possível de uma experiência internacional. O PRP mostra a atenção que a CAEP tem com o seu cliente. Muitos fazendeiros precisam de assessoria, apoio logístico e operacional para participarem de uma viagem técnica. Por si só, seria muito difícil. As viagens em grupo, de forma organizada, oferecem uma série de benefícios, com acesso do grupo em visitas agendadas previamente. Ou seja; as multinacionais, fazendas, cooperativas, universidades, e demais instituições do Agro, atendem visitantes desde que sejam em grupos; otimizando o tempo de atendimento. Assim, as empresas fazem uma conexão e aproximando os produtores através das viagens de incentivo no agronegócio, gerando benefícios a todos. 

  • 41. Quais os diferenciais da CAEP?

    O principal é sua equipe multidisciplinar, composta por engenheiros/ras agrônomos/mas e profissionais do trade turístico, que facilitam e operam sua viagem técnica pelo agronegócio. A CAEP nasceu dentro de uma fazenda norte americana e chegou ao Brasil, em 1999; devido ao espírito empreendedor de nossos diretores, os quais vivenciaram o Agro no exterior. Ou seja, é uma agência “com o pé” no Agro; pois a CAEP, presente em 19 países, é líder mundial em intercâmbio agrícola.

    Com sede nos Estados Unidos, a CAEP consegue entender melhor suas expectativas e necessidades, oferecendo um tratamento especializado e atualizado com as tendências do Agro mundial. As viagens técnicas vão além dos requisitos técnicos: Elas geram bem estar e motivação. Elas transformam as pessoas, inspirando-as em novos negócios. 

  • 42. Como solicitar a visita de uma reunião de suporte?

    Contate nossa área comercial para uma reunião e atendimento in loco na sua empresa. Fale com Georlei Haddad georlei.haddad@caep.com.br

  • 43. É possível estender a viagem, de forma individual (fora do grupo)?

    Sim. Desde que comunicado previamente à CAEP, por escrito. A CAEP lhe informará quais as regras tarifárias, disponibilidades de lugares, e; mediante entendimento mútuo, providenciará as alterações. Nesses casos emitimos de forma individual nos mesmos voos do grupo. 

  • 44. Quanto custa um upgrade de aéreo?

    Geralmente uma poltrona, em classe executiva ou primeira classe custa 3 a 5 vezes o custo de uma passagem normal.  Exemplo: Uma passagem para os EUA de U$1,500.00 na executiva custará à partir de U$ 4,500.00; dependendo da lotação do voo, podendo chegar ao dobro desse valor. 

  • 45. Qual a duração ideal de uma viagem técnica?

    Geralmente 7 dias. Depende do foco e perfil do grupo. 

  • 46. Qual destino de lazer mais procurado nos EUA?

    Muitas Viagens técnicas ficam mais atraentes quando se agrega destinos turísticos a parte técnica. Cidades marcantes e famosas como Chicago, Nova Iorque, Orlando, Las Vegas, Los Angeles, Washington D.C.; Miami, San Diego, Nashville e tantas outras, fazem de sua experiência internacional inesquecível. 

  • 47. Quanto devo levar de dinheiro ao exterior?

    Se você estiver saindo do Brasil com quantia acima de R$ 10.000,00 (dez mil reais), em espécie, papel-moeda, deverá declarar a Receita Federal, ainda no Brasil, preenchendo a Declaração Eletrônica de Bens de Viajantes(e-DBV).

     

    Ao entrar nos EUA, é diferente. Lá, é por família.

    Quantias acima de US$10,000.00 (dez mil dólares) por família, precisam de ser declaradas na Imigração. Caso esteja com valor acima dos US$10,000.00 e for retido na imigração, poderá ter a quantia confiscada e responder a processo cível ou criminal. O valor acima poderá ser dividido entre os membros de uma mesma família. Este valor deverá ser declarado. No avião você irá receber um formulário azul (CBP Form 6059B), mencionando que viaja em família.

     

    Cartões de crédito não entram nessa soma; somente dinheiro em espécie “papel”.

     

    Atenção: O valor de US$ 10,000.00 (dez mil dólares), também se aplica a cada pessoa viajando sozinha. 

  • 48. Como tirar meu passaporte?

    Acesse o site da Polícia Federal: http://www.pf.gov.br/servicos-pf/passaporte

     

    Reúna a documentação necessária;

    Preencha a solicitação no site da Polícia Federal;

    Pague a taxa de emissão;

    Agende a data de atendimento;

    Compareça ao posto da Polícia Federal;

    Retire seu passaporte.

     

  • 49. Como tirar o visto Norte Americano?

    Primeiro passo: saber qual tipo de visto você precisa. Para as Viagens Técnicas CAEP, o tipo de visto é o B1/B2 (negócios/turismo).

    Para todas as categorias de visto, é necessário preencher o formulário DS-160.

    Após concluir o preenchimento, imprimir a confirmação do formulário DS-160 com código de barras e leva-lo ao Consulado.  Se necessário, levar esta confirmação no CASV e na entrevista no Consulado.

    Segundo passo: Emitir e pagar a taxa consular (MRV).

    Pagamento em cartão de crédito (Visa ou Mastercard Internacional): Após o pagamento, o calendário da entrevista estará liberado para agendar data para comparecimento no CASV e no Consulado.

     

    Pagamento em boleto: Após o pagamento, aguardar até dias úteis para compensação do boleto. Após esta confirmação, agendar data no CASV e/ou no Consulado.

    Terceiro passo: Agendar entrevista no CASV e se necessário, no Consulado.

    Em alguns casos de renovação, ou solicitação de novo Visto EUA, não será obrigatória a entrevista no Consulado Americano. Essa condição beneficia menores de 13 anos, 11 meses e 29 dias, e ou para idade acima de 79 anos.

    Quarto passo: Documentação para apresentar no CASV:

    Passaporte atual com validade mínima de 01 ano;

    Passaporte anterior vencido (todos que possuir);

    Comprovante de agendamento de entrevista (Será enviado por e-mail, a impressão deve ser colorida);

    Confirmação de preenchimento do formulário online DS-160. (Será enviado por e-mail, a impressão deve ser colorida).

  • 50. Quais países exigem vacina?

    EUA não é necessário.

    Somente Australia e NZ . mas favor consultar e confirmar antes. 

  • 51. O que é uma visita Técnica?

    São visitas realizadas em empresas, com o acompanhamento de um ou mais professores, com o objetivo de proporcionar aos estudantes uma visão técnica da futura profissão.

    A visita pode ser agendada pelo próprio professor responsável ou pelo DEPEC. Em qualquer caso é necessário o preenchimento do formulário de Solicitação/Registro de Visita Técnica e a aprovação da Coordenação do Curso ao qual os acadêmicos estiverem vinculados. O formulário deve ser entregue ao DEPEC para agendamento ou registro da visita.

    Após a realização da visita, o acadêmico poderá preencher o Relatório de Visita Técnica, que deverá ser assinado pelo professor responsável pela visita, para fins de pontuação em Atividades Complementares previstas em seu curso de graduação.