Saiba mais sobre Floricultura: uma área repleta de aprendizado!

No texto de hoje, vamos falar sobre a segunda área mais procurada do Intercâmbio Agrícola: floricultura! Ela é voltada para homens e mulheres, que desejam aprender muito, trabalhar duro durante seis meses nas greenhouses e ter contato direto com a cultura americana, já que os locais de trabalho ficam próximos as cidades. Outra vantagem dessa área, é que os participantes não precisarão perder o ano letivo da faculdade, já que o intercâmbio é semestral. Baita oportunidade, hein?!

Os requisitos específicos para este programa são: ter experiência prática de no mínimo seis meses com produção em ambiente protegido, uma boa comunicação em inglês e idade entre 19 e 28 anos. Curioso sobre as atividades que você irá realizar? Esteja preparado para trabalhar dentro de uma estufa, produzindo plantas de vaso e flores de corte. Você trabalhará com: irrigação, remoção de ervas daninhas, adubação, transplante de mudas, carregamento, colheita, controles de temperatura, controle de pragas e doenças, controle de qualidade, corte, preparo para o transporte, venda, e muito mais! Hardwork guys!

Não podemos esquecer de uma informação importante: as empresas estão localizadas no cinturão agrícola e costa leste, em estados como Dakotas do Sul e do Norte, Minnesota, Iowa, Ohio, Nova York, Massachusetts, Carolina do Norte e do Sul, entre outros.  Mas não é possível escolher a cidade, ok?!

Tem alunos trabalhando lá neste ano? SIM! Segundo a intercambista Vitoria Becker, que está Minnesota, a experiência está sendo incrível e gelada: “Minha experiência com flores superou todas as expectativas! Chegar no Norte dos EUA em fevereiro e conhecer o inverno foi lindo (e gelado! Haha). Foram seis meses em que pude vivenciar a mudança das estações e as condições para cultivo de plantas em ambiente protegido, em temperaturas que chegaram a -31°C no inverno e 35°C no verão.”

Como é trabalhar na greenhouse durante esse período desafiador, Vitoria? “Tive a oportunidade de trabalhar e morar com intercambistas do mundo todo! Em meio a quarentena, nós fomos amigos e família. As conversas e brincadeiras tornaram o trabalho mais leve, e as horas livres mais divertidas. Só tenho a agradecer pela oportunidade de ter vivido tudo isso e à CAEP por todo o suporte até aqui!”. Nós que agradecemos a confiança e carinho de sempre!

E aí, se animou para a temporada 2021? Prepare a documentação, cartas de recomendação, tenha o inglês na ponta da língua e esteja preparado para viver uma experiência pessoal e profissional marcante e transformadora!  Faça a sua inscrição no nosso site: www.caep.com.br.

 

A temporada 20/21 do Intercâmbio Agrícola está aberta!

Atenção, futuro intercambista: a temporada de intercâmbio agrícola está oficialmente aberta! Para você que sonha em vivenciar na prática uma experiência internacional transformadora, já pode preparar a documentação e fazer a sua inscrição. O intercâmbio agrícola é a chance de você conhecer uma nova cultura, aprimorar o seu inglês, aprender novas técnicas agrícolas e voltar ao Brasil com muito conhecimento na bagagem e um diferencial importantíssimo no currículo.

Atualmente, você pode escolher os seguintes países e áreas: Estados Unidos (enologia, floricultura, viveiros, apicultura, equinos, fruticultura, olericultura, gado de corte, gado de Leite, suínos, grãos), Holanda (floricultura, fruticultura, gado de Leite, olericultura, viveiros), Nova Zelândia (gado de leite) e Israel (Kibbutz, como voluntário).

O tempo de intercâmbio varia de três meses a um ano, porém tudo dependerá da área e país escolhidos. Sobre a idade: você precisa ter entre 19 e 28 anos para embarcar para os Estados Unidos/Holanda e até 30 anos se deseja ir para Nova Zelândia. Sonha em conhecer a incrível diversidade cultural e tecnologia Agro do Kibbutz? Você pode ter até 35 anos! Não podemos esquecer da experiência prática na área escolhida e do bom nível de inglês, afinal, a conversação, orientações e instruções serão passadas em inglês.

Já sabe para qual área deseja se aplicar e qual país gostaria de ir? Então, vamos fazer a sua inscrição e em seguida preencher o application. Para isso:

  • Reserve um tempo para preencher o application com atenção;
  • Separe o seu passaporte ou esteja com o processo de solicitação em andamento;
  • Tenha em mãos as cartas de recomendação ou solicite-as o quanto antes;
  • Tenha um bom nível de inglês! Realizaremos a entrevista em inglês logo em seguida;
  • Tenha a experiência prática para a área de interesse!

O time CAEP Brasil resolve toda a burocracia da viagem para você e cuida dos mínimos detalhes: como emissão do visto e documentos, tudo em conjunto com os melhores parceiros internacionais, para que a sua experiência seja a melhor possível. Fique tranquilo, pois te orientamos em todas as etapas, inclusive na compra de passagem aérea. Bora fazer o seu application? A primeira chamada é para o pessoal da área de floricultura e viveiros!

Clique aqui e saiba como preencher o seu application: https://www.youtube.com/watch?v=t6QW21GPdHU

 

EPISÓDIO 2: INTERCÂMBIO AGRÍCOLA

Hey, comunidade Caep!! Temos hoje no blog o segundo episódio do “bate-bola jogo rápido” mais esclarecedor do mundo AGRO que você vai conhecer nessa rede online! Respondemos as perguntas mais recorrentes sobre intercâmbio agrícola, de uma forma bem ligeira! É pá pum!

1. Quais os países de destino disponíveis atualmente?

Estados Unidos, Holanda e Nova Zelândia.

Israel também está disponível, mas o programa é voluntário.

2. O intercâmbio agrícola é um programa remunerado?

Sim, exceto para o destino Israel.

3. Quais são os requisitos para participar de um programa de intercâmbio agrícola?

Idade, experiência prática na área de interesse e inglês.

4. Quais as opções de áreas disponíveis atualmente?

Estados Unidos: Enologia; Floricultura; Viveiros; Apicultura; Equinos; Fruticultura; Olericultura; Gado de Corte; Gado de Leite; Suínos; Grãos.

Holanda: Floricultura; Fruticultura; Gado de Leite; Olericultura; Viveiros.

Nova Zelândia: Gado de Leite

Israel: Kibbutz

5. Com qual idade posso me candidatar?

Estados Unidos: entre 19 e 28 anos

Holanda: entre 19 e 28 anos

Nova Zelândia: entre 19 e 30 anos

Israel: entre 19 e 35 anos

6. Tem período específico para se aplicar e iniciar o programa?

A depender do país de destino e da área escolhida.

7. Quanto tempo dura o programa?

Estados Unidos: mínimo 4 meses e máximo 1 ano;

Holanda: mínimo 3 meses e máximo 6 meses;

Nova Zelândia: mínimo 6 meses e máximo 1 ano;

Israel: mínimo 2 e máximo 6 meses.

8. A hospedagem é na própria fazenda que trabalho?

Sim

9. Qual o nível de inglês necessário para me candidatar?

Nível intermediário, capaz de compreender e conversar em inglês (lembre-se que as instruções do trabalho serão passadas em inglês). Para Israel: inglês ou espanhol básico.

10. O que a CAEP faz?

Resolve toda a burocracia desta viagem para você e cuida dos mínimos detalhes, como emissão do visto e documentos, em conjunto com os melhores parceiros internacionais, para que sua experiência seja incrível. Te orientamos para que você faça a melhor escolha de programa, curso, país e período, auxiliando em todas as etapas, inclusive compra de passagem aérea e demais detalhes personalizados especialmente para você.

Quer entrar em campo e bater esta bola com a gente? Entre em contato clicando aqui.

Pelos olhos de nossos intercambistas…

Quem acompanhou as notícias nestes últimos dias viu que as lavouras de grãos nos Estados Unidos foram afetadas por uma tempestade de neve. Vários estados como Minnesota, Dakota do Norte, Montana, Iowa e Wisconsin tiveram seus campos transformados em uma paisagem branca, postergando ou interrompendo a colheita.

Nós da CAEP viemos te mostrar toda esta situação sob a perspectiva de nossos intercambistas, que estão vivenciando este momento ao vivo e a cores junto com os produtores de alimentos. Gustavo Philippsen, Ramon Dijkstra e Carlos Zuanazzi, alunos do nosso programa de intercâmbio agrícola, vestiram a camisa de fotógrafos por um dia e nos mostraram em detalhes as consequências que a nevasca provocou nos campos agrícolas em que estão trabalhando.

 

*Gustavo Philippsen no município de Buchanan, Dakota do Norte. Intercâmbio em fazenda de lavoura de soja.

*Ramon Dijkstra no município de Windsor, Dakota do Norte. Intercâmbio em fazenda de lavoura de soja.

 Na saúde e na doença, na plantação e na colheita, na estiagem e na nevasca, no previsível e no imprevisível, os alunos vivenciam a experiência real e o dia a dia das fazendas no exterior. Programas como este dos nossos alunos possuem duração de 4 a 12 meses e, como podemos perceber, trazem uma bagagem de conhecimento incrível tanto para o lado profissional como para o pessoal.

Não tem tempo ruim quando o assunto é vivenciar experiências no mundo AGRO! Até em situações indesejáveis e surpreendentes é possível agregar no aprendizado técnico agrícola.

HOLAMBRA vs HOLANDA: o trava línguas!

Se as flores pudessem falar (língua portuguesa ou holandesa), com certeza diriam para você que a 38ª edição da EXPOFLORA está rolando em Holambra (interior de São Paulo), entre os dias 30 de agosto à 29 de setembro.

 

A maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina possui uma programação voltada aos finais de semana (de sexta-feira a domingo, das 9h às 19h) e veio para deixar o mundo agrícola ainda mais colorido. É neste evento que os principais produtores do  setor lançam novas variedades e tendências. Uma ótima oportunidade para ficar por dentro das novidades! #dicadaCAEP

 

Além disso, as flores também diriam para você não confundir Holambra com Holanda! Parece até um  trava línguas, mas além dos nomes parecidos e da fartura de espécies de flores e plantas, esses dois destinos estão mais próximos do que você pode imaginar! Sabia que apesar dos bons quilômetros de distância entre uma cidade no interior de São Paulo e um país Europeu, é possível viajar para a Holanda de uma forma bem mais simples? Pois é!

 

Apresentamos à vocês o intercâmbio agrícola para a Holanda, um programa personalizado por nós da CAEP, com duração de 3 a 6 meses, que pode explorar as seguintes áreas, conforme sua preferência: floricultura; fruticultura; gado de leite; olericultura; e viveiros! Você viaja e trabalha ao mesmo tempo. E melhor ainda: é remunerado por isso!

 

Tudo isso fica muito fácil porque somos uma agência especializada em viagens técnicas do agronegócio. Não tem estresse para você. Cuidamos de toda a burocracia da viagem, preparamos o programa personalizado, com os melhores parceiros internacionais, para que sua experiência seja incrível e repleta de aprendizado.

 

Preencheu os requisitos?

– Idade entre 19 e 28 anos;

– Experiência prática na área de interesse;

– Ter boa comunicação em inglês; e

– Estar matriculado em uma instituição de ensino agrícola.

 

Então que tal embarcar nesta experiência com a gente?

Das flores de Holambra diretamente para as flores de Holanda! Que sonho, hein?!

Vamos conversar: clique aqui!

O que um bom candidato deve ter?

Viajar para fora, conhecer os campos do mundo e aprender com os melhores. Isso pode estar ao seu alcance! Você sabe o que um bom candidato deve ter para participar do intercâmbio agrícola?

 

O primeiro passo é preencher 3 requisitos: boa comunicação em inglês, experiência prática na área de interesse e estar na idade certa para o programa.

 

Todos os requisitos são pensados para garantir que seu intercâmbio seja incrível e que a fazenda esteja com as mãos em um profissional que dará conta do serviço.

 

#1 Inglês: A partir do momento que vai tirar o visto, o inglês é necessário, por isso e preciso ter boa comunicação. Afinal, não há tempo e nem chance para não entender o que o fazendeiro está falando. Você não poderá checar um dicionário enquanto dirige uma colheitadeira, não é?

 

Como Conseguir: É possível buscar esse nível de inglês com professores particulares, escolas, ou fazendo cursos online: falando nisso, já ouviu falar do inglês agro?

 

#2 Nível de Experiência Prática: O fazendeiro te receberá e pagará pelo seus serviço. Parte da produção dele estará em suas mãos. Ou seja, é preciso que o candidato tenha um bom nível prático na área, tanto para greenhouses como grãos.

 

Como Conseguir: Coloque a mão na massa! O fazendeiro precisa saber que você entende que trabalhará no campo. Aproveite suas horas livres para correr atrás dessa experiência. Procure propriedades rurais na região, veja com conhecidos ou mesmo trabalhe na fazenda da família.

 

#3 Idade: A idade certa para o intercâmbio é de 19 a 28 anos, pela possibilidade de obtenção de visto para o país que o candidato esteja planejando viajar.

 

Quanto mais conhecimento desses requisitos acima, mais bem ranqueado se estará. Assim, suas chances de ser selecionado pelos fazendeiros aumentam!

 

“Não foi fácil deixar minha família, amigos e tudo que eu conhecia, para seguir rumo ao desconhecido. Mas foi transformador! No fim, ficou claro para mim que a experiência que eu tive era de um valor incalculável. E uma descoberta assim só é possível, quando nos abrimos para o novo”, completa Ana Gabriela, ex-trainee intercâmbio agrícola.

 

WHAT TIME IS IT? IT’S SUMMER TIME!

A CAEP USA (Communicating for Agriculture Education Program), realizou nesse final de semana (19 a 21/07), o CAEPFEST em Ashby, localizada na região do cinturão agrícola americano, Minnesota.

 

O festival, já em sua oitava edição, foi criado com intuito de dar aquele break na temporada e aproveitar para os intercambistas se conhecerem, se encontrarem, se divertirem e sair um pouco da rotina.

 

Repleto de atividades esportivas, gincanas culturais, e muita troca de ideais entre pessoas de todos os cantos do mundo, o final de semana contou com 170 jovens de 22 países. Desses, 30 eram our brazilians.

“O CAEPFEST foi uma verdadeira demonstração de nossa missão de conectar o mundo através da agricultura, assim como trainees passaram o final de semana aprendendo sobre a cultura local, estreitando relacionamentos e fazendo amizades para a vida toda com seus semelhantes de todos os cantos do mundo e com os membros da comunidade local”, explica a CAEP USA.

 

Flavio Salvadego e Priscilla Braile, diretores da CAEP Brasil, estiveram presentes e comentaram sobre o evento: “É gratificante estar presente e poder unir o time CAEP. A essência é oferecer ao jovem do AGRO uma experiência internacional  e conectar os CAEP’S de todas as partes do mundo”.

 

Mas porque em julho? Pois é a época em que os jovens se encontram mais tranquilos antes de recomeçarem a colheita, as vendas, a correria no geral. Os hosts já ficam sabendo do festival e dão o day-off para os jovens.

 

Passar 8 meses longe de casa e longe dos amigos, é muito difícil, a gente sabe. Morar em uma casa com 3 pessoas, cada uma de um canto diferente, não é a mesma coisa de estar com aqueles que de alguma forma ‘nos entendem’.

 

Muitos hosts têm o seu período para ‘liberar’ o intercambista para um break, mas as vezes as datas não batem. É aí que o CAEP fest é importante para reencontrar aquele amigo que está lá no ‘Dakotão’ e o outro que está em Ohio.

 

Mas porque participar? Pois é um final de semana voltado para os jovens intercambistas. Começando na sexta feira, todos se encontram na fazenda Milt Smedsrud, aonde acontecerá o festival. Aí que começa a diversão! Cada um montando sua barraca, com direitos a bebidas, comidas, brincadeiras, shows, desfiles, tudo.

E o mais legal é poder juntar essa galera toda, de vários cantos do mundo, e ver eles aprendendo outras línguas, a cultura do outro, se interagindo, fazendo as danças típicas de cada país, encontrando amigos, que no final, pode ter certeza, ao ir embora no domingo, você estará relaxado e ready to finish the season!

Tem interesse no Intercâmbio Agrícola? Inscreva-se para a próxima Season (embarques de Janeiro a Abril). Saiba mais!

Viaje para o maior produtor de flores do mundo

A Holanda é conhecida como “país das mais belas flores do mundo”. Tudo graças aos seus magníficos campos de tulipas que enriquecem as paisagens com suas cores vibrantes. Contudo, essa não é a única razão para você começar a programar seu intercâmbio agrícola para lá.

 

Cerca de 2 bilhões de exemplares desta flor são exportadas para outros países do mundo. O que deixou os holandeses como líderes do mercado de flores global. Hoje, a tulipa é a flor mais exportada da Holanda e um dos símbolos do país.

 

Entre os números mais surpreendentes desse mercado, estão a produção anual de mais de 8.5 bilhões de bulbos vindos da Holanda. Aproximadamente 90% de todas as orquídeas da Europa são produzidas na Holanda. Somente esses dados podem começar a te dar uma ideia da produção holandesa.

 

Quer saber como seu intercâmbio agrícola pode te deixar perto dos profissionais que fizeram da Holanda essa potência? Continue a leitura e saiba o que a Holanda tem para te oferecer!

 

Floricultura e Horticultura – Holandeses são potência no agronegócio mundial

 

Para se ter uma ideia, o país possui uma área 270 vezes menor que a dos Estados Unidos. Ou seja, são uma nação pequena e densamente povoada, com pouco mais de 500 habitantes por quilômetro quadrado.

 

Mesmo sendo desprovido da área e dos recursos necessários para produção agrícola, em termos de valor monetário, eles são o 2º maior exportador mundial de alimentos. Porém, ficam atrás dos Estados Unidos apenas na exportação de produtos agropecuários.

 

Hoje, mais de 1500 produtores holandeses são especializados na produção de bulbos. Esses produtores, na cadeia produtiva do país, comercializam esses bulbos com 100 das maiores companhias exportadoras do mundo, que estão localizadas primeiramente na Holanda.

 

Isso significa, em outras palavras, que a maior área de produção de bulbos de tulipa do mundo fica na Holanda. Isto é, 87% da área de produção mundial é do país. Outro dado importante é que 65% da área total de produção de bulbos do mundo todo, é da Holanda, o que os deixa como primeiro produtor global do setor.

 

Reconhecimento Norte Americano – Outros pontos que fazem sua viagem para Holanda ainda mais interessante

 

De acordo com William B. Miller – do Departamento de Horticultura da Universidade de Ithaca, nos Estados Unidos – um dos fatores que tornam a Holanda líder do mercado de bulbos e Flores do mundo é sua logística.

 

“O fato que a Holanda é um país pequeno – por área de superfície – força sua concentração até uma determinada extensão, mas seu tamanho pequeno se torna uma vantagem em termos de custo de transporte, tempo, etc…”, explica William em sua tese “Current Status of Growth Regulator Usage in Flower Bulb Forcing in North America”.

 

De fato, há 20 anos os holandeses optaram pela seguinte filosofia: “Duas vezes mais alimentos, utilizando metade dos recursos”. Motivo, não somente de sua adaptabilidade, mas do reconhecimento desta pelos norte-americanos.

 

Hoje, os Estados Unidos é um dos maiores compradores dos bulbos de flores holandesas que, de forma geral, são usados em sua produção como flor de corte.

 

Perspectiva Brasileira – Como aprender com os melhores pode fazer a diferença na sua formação

 

Em outras palavras, um intercâmbio agrícola para a Holanda, significa ver de perto como funciona a melhor e maior produção de flores do mundo. Claro, sem contar outros fatores importantes no meio dessa produção.

 

O contato internacional a ser adquirido na Holanda te permitirá conferir como ela aumenta sua produção e seu capital todos os anos. Em 2018, de acordo com o governo holandês, o país faturou 90,3 bilhões de euros com sua exportação agrícola.

 

O país comercializa sua produção de flores para mais de 60 países. Geralmente, esses produtos são utilizados como material de plantio, ou para a produção floral de todos esses parceiros comerciais.

 

O ponto de partida para seu crescimento pessoal, financeiro e profissional, é estar em contato com os melhores. Para isso, é fundamental expandir seus horizontes. Faça um intercâmbio agrícola e inove seus conhecimentos!

Grãos, Pedro e a vontade de alimentar o mundo

Já imaginou estar em um avião, com todos speaking English e embarcando para aquele sonho que você sempre teve de fazer um intercâmbio agrícola?  Pois é. Venha embarcar nessa experiencia que Pedro contou em uma pequena entrevista para a CAEP.

Pedro Ernesto se formou em um colégio técnico agrícola antes de embarcar. Ele já tinha experiencia com maquinários e o inglês, ou seja, ele era the right guy!

“Viver a essência do agricultor americano […] foi realmente muito valida a experiencia, além do inglês, tive muita vivência de maquinário, tratos culturais em soja e milho. Fiz de tudo um pouco, de pilotar a maior colhedora de grãos do mundo na época, até trocar pneu de caminhão, foi uma experiencia completa!”, lembra Pedro.

 

O intercâmbio agrícola abriu caminhos para o Pedro. Durante os 10 meses que esteve presente nos Estados Unidos, aperfeiçoou a língua inglesa, fez amizades com os hosts, trabalhou, aprendeu, viveu e concluiu com êxito. Hoje, Pedro inicia uma nova jornada pela FENDT, fabricante alemão de tratores e máquinas agrícolas.

“O fato de ter tido essa experiencia, acabou abrindo muitas portas por onde eu fui passando, pois vejo que essa experiencia tanto cultural quanto de trabalho, é de grande valia para todas as empresas e pessoas. Conhecer pessoas e lugares abrem a nossa cabeça e nos tornam mais preparados para as diferentes realidades que possamos enfrentar no dia a dia.”, explica Pedro.

E aí, deu aquele frio na espinha de quero também? Faça igual ele e não perca a oportunidade de dar um “UP” no seu currículo, inscreva-se já na próxima season!

O resumo da minha Vida de Trainee

Em maio de 2016 conheci a CAEP através de um colega de trabalho, sempre tive o sonho de viajar e conhecer alguns países, mas por conta da velha história de não tenho tempo para nada apenas para trabalho, nunca sai do lugar. Após analisar minha vida e descobrir que eu não estava satisfeito com os resultados obtidos até aquele ponto, me escrevi no programa de Intercâmbio Agrícola da CAEP e em novembro de 2016 recebi o primeiro contato da Ana, uma das coordenadoras da CAEP Brasil. Após uma entrevista frustrada – meu inglês não estava adequado para conversação – Ana me indicou estudar um pouco mais e tentar novamente a entrevista em 2017, e assim eu fiz, e em fevereiro 2017 finalizei meu application e em junho embarquei para Austrália. O primeiro choque foi ao chegar na Austrália meu host estava me esperando no aeroporto, e de lá partimos para sua fazenda, cerca de 2,5 horas de carro de Melbourne – é geralmente fazenda ficam longe de grandes centros, não espere morar na esquina de NY, Miami ou qualquer outra grande cidade – e quando chegamos ele fez questão de me apresentar a toda sua fazenda – fazenda mista grãos e Ovelha – tudo completamente novo para min, uma vez que trabalhei durante 8 anos em concessão John Deere.

Meu primeiro trabalho foi revisar sua caminhonete, sabia o nome das ferramentas em português, mas não sabia praticamente nada de ferramentas em inglês – primeira dica para um bom sucesso no seu intercâmbio, aprenda sobre ferramentas e unidades numéricas inglesa, isso vai fazer uma grande diferença – daí por diante comecei a aprender e todos os dias sempre coisas nova, novos desafios. Na fazenda fazíamos todos os tipos de manutenções, em tratores, colheitadeiras, construção, consertar cercas e construir novas, alimentar ovelha, checar ovelhas no período de recriação, ajudar em partos – checar se alguma está doente e duas vezes por ano cortar lã.

Não é uma vida fácil mais com alguns dias você e seu corpo começam a acostumar com o trabalho, e depois disso, passa a virar parte da sua vida. Alguns trabalhos com certeza não são divertidos, e outros são muito. Essa mudança de cultura para algumas pessoas pode ser muito difícil, então quando alguém me pergunta se é fácil? – Não gente, não é fácil – é muita coisa ao mesmo tempo. Trabalhos que você nunca fez, distancia da família, outra cultura, outra língua, mas no final o resultado o aprendizado, novas amizades, lugares espetaculares, isso vale muito.

Sobre tempo livre, trainee tem? Sim, geralmente finais de semana e até mesmo férias, algumas viagens com a família, essa é sem dúvidas uma das melhores experiências, esse vínculo com a família. Eles fazem de tudo para você poder se sentir em casa, você participa como se fosse filho, vai festas, jantares, viagens, chora junto com as perdas, sorri com os ganhos. Eu particularmente mantenho contato constante com minha família da Austrália.

Essa experiência foi tão boa que não parei, quando finalizei meu programa na Austrália me inscrevi para outro programa nos EUA, e atualmente estou trabalhando em uma empresa terceirizada de colheita, estamos no meio da colheita nos Estados Unidos, e desde junho desse ano já colhemos Trigo, Canola, Ervilha, feijão e agora estamos colhendo Soja e ainda vamos ter milho. O trabalho aqui não tem animais, é claro, mas trabalho como operador de máquinas, dirijo caminhões, tratores e ajudo na manutenção das máquinas e veículos em geral. A vida aqui é um pouco diferente pois como é uma empresa temos outros Trainees de diferentes países, como Holanda, Dinamarca e é claro Brasil. Trabalhamos muitas horas por dia, e só temos folgas em dias de chuva – sim é muito trabalho, mas estamos em período de safra, então pessoas que tem vínculo com agricultura sabem que safra não tem hora.

Esse é um pequeno resumo da minha Vida de Trainee. Confio na CAEP e estou muito feliz com o investimento que fiz com essa empresa. Qual o próximo passo agora? Colher os frutos dessa experiência. Quer conhecer o mundo e aprender sobre novas culturas?

Inscreva-se hoje mesmo para um dos programas da CAEP!

Mais informações – deixe sua mensagem no Messeger ou siga no Instagram – lucas_gentil

Boa sorte e nos vemos pelo mundo!

Lucas Gentil da Silva, 30 anos. Atualmente se encontra nos EUA, pelo Intercâmbio Agrícola da CAEP Brasil na área de Grãos e anteriormente também esteve na Austrália.